Hiperatividade E Déficit De Atenção Em Cães

20 Feb 2018 11:06
Tags

Back to list of posts

Já há diagnóstico de cães com TDAH (Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade), porém o que isto quer dizer? Será que teu cãozinho sofre disso? O que gera este tipo de posicionamento? is?7hjvSAijOBb2AEXxAdZ4UondKv5fbb5HPNJ_LTeKilc&height=220 Apertem os cintos, vamos entrar em uma área de muita divergência entre os próprios cientistas. Quem nunca teve um cachorro super agitado, que aprontava, com energia para doar e vender? Antes, tido como normal, hoje podes ser visto como um transtorno comportamental e até genético. Estudos feitos em países da Europa, Estados unidos e Canadá, indicam que muitos tutores testemunharam seus cães como hiperativos ou com complexidade em se concentrar numa dada tarefa. Será que os nossos peludos estão passando pelo mesmo que as moças?Será que a inexistência de paciência de pais e tutores estão gerando crianças e animais mal compreendidos e diagnosticados erroneamente? A jornalista americana Pamela Druckerman escreveu uma série de livros sobre isto como foi fazer seus filhos pela França. No teu livro mais popular "Crianças Francesas não executam manha", Pamela sinaliza a formação das criancinhas francesas, como o enorme diferencial para a educação. Ela mostra que todos os meninos têm a mesma indispensabilidade e modo, contudo, os pais franceses são mais pacientes no momento em que o questão é choro e birra, em tão alto grau em moradia, quanto pela rua.Não entendo de moças, porém baseada nesse livro e em outro com título "Pais franceses não desistem", percebo que o mesmo acontece com os cães. A dúvida não é somente a raça ou o temperamento do animal, porém como ele é criado. Com a vida cada vez mais corrida, e os pais se dedicando intensamente à vida profissional, pirralhos e animais de estimação sofrem com o tempo longínquo de seus pais/tutores.Ao vir em casa, poderá acontecer desses tutores estarem cansados e sem paciência. Porém, gostam de desfrutar da companhia e estima do comparsa peludo. A amplo questão é a inevitabilidade dos animais. Uma voltinha de trinta minutos por dia talvez não seja bastante, depois de oito ou 10 horas sem atividades. O que observo entre meus clientes é a enorme reclamação do excedente de energia que os animais estão apresentando. Vários me pedem calmantes, florais ou algum medicamento que ajude a tranquilizar o animal e suprimir essa agitação. Há casos nos quais os medicamentos são necessários.Quem necessita avaliar isto é o médico veterinário. Contudo, em mais de oitenta por cento dos casos, o real pretexto do problema é a falta de atividade específica para os filhotes de patas. O que mostram os estudos? Apesar da minha linha ser totalmente comportamentalista, há outra vertente que explica esta agitação, e até a inexistência de atenção do animal, geneticamente.Um estudo feito na Universidade de Columbia, nos EUA, demonstrou a correlação entre dois genes e hiperatividade em duas raças: pastor alemão e husky siberiano. Foi achado um encurtamento no gene chamado DRD4. Este é causador da absorção da dopamina no corpo dos cães. A dopamina, em tão alto grau em cães, como em humanos, auxilia na consolidação da memória, evolução o humor, facilita o método de aprendizado e de atenção.E também estar relacionada à sensação de prazer ou recompensa agradável. Com a baixa absorção nesse neurotransmissor, os cães pesquisados são mais agitados e têm problema de focar numa atividade por bastante tempo, podendo ser enquadrados dentro do TDAH. Todavia, os pesquisadores são taxativos ao indicar que não se podes generalizar o estudo para outras raças, porque cada uma tem tua especificidade. Em Boston, assim como nos EUA, outros pesquisadores tentaram correlacionar inexistência de alguns nutrientes e excesso de proteína pela alimentação com o comportamento hiperativo.Entretanto, não observaram interferência deste tipo de dieta na agitação dos cães. O estudo que eu mais adoro desta área foi feito por pesquisadores na Califórnia, EUA. Eles enviaram questionários online pra incontáveis tutores, questionando se seus cães apresentavam hiperatividade, falta de atenção ou impulsividade. De acordo com a visão dos tutores, muitos cães foram apontados com hiperatividade e falta de atenção.Os cientistas concluíram que vários desses casos, relatados pelos tutores, eram comportamentos naturais da espécie. Outros, de fato eram dificuldades mais sérios e foram tratados por veterinários, por intervenção de medicação e terapia. Nesse último caso, o que criava o modo de hiperatividade ou inexistência de atenção era um fator genético. is?7hjvSAijOBb2AEXxAdZ4UondKv5fbb5HPNJ_LTeKilc&height=220 Mesmo com treinamentos ou com o atravessar da idade, o animal permanecia com as mesmas características. Abr.2013 - Filhote de camelo "Zsolti" é exposto no zoo de Szeged, pela Hungria AFP quatro "Peixes e Visitantes" 27 "Duas Princesas e um Pestinha" 20 de abril de 2014 Passeie com teu cachorro ou faça uma caminhada pelo bairro no desfecho do dia para relaxarSegundo o Dr Andreas Luecher, da Instituição de Guelph, em Ontário, Canadá, a hiperatividade em cães é uma queixa comum. Na maioria dos casos, a hiperatividade não é graças a uma confusão fisiológica, mas é um jeito normal pra raça ou um comportamento inadvertidamente condicionado pelo proprietário dando atenção indevida.O tratamento nesses casos, envolve o redirecionamento do tema do animal, para equipamentos centro apropriados". O pesquisador assim como ressalta que a punição não dá certo. Pior, ela tende a aumentar os níveis de excitação e não incentiva o jeito desejável. A conclusão de todos estes estudos é muito acessível: todo cachorro tem tuas necessidades básicas e precisam ser atendidas. De nada adianta obter um cachorro achando que ele ficará ao teu lado, como um ursinho de pelúcia, o dia todo.

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License